Saída de Roger é um presente de aniversário nada agradável para o Grêmio

FOTO: LUCAS UEBEL / GRÊMIO

FOTO: LUCAS UEBEL / GRÊMIO

Sabe aquele presente que não é “tão” legal, mas se aceita por educação? Ou se aceita pelo simples fato protocolar? A frase do tipo: “ah… nem precisava nada! Era só você chegar! Sua presença é o mais importante!” E agora? Como se constrói isso tudo em pleno aniversário do Grêmio de 113 anos hoje? Não se constrói. Apenas.

Roger “sai antes do final da festa” com 60% de aproveitamento e com a goleada de 5 a 0  em um Gre-Nal como uma espécie de troféu (o jogo aconteceu em 08/09/2015). O treinador sai sem ganhar nenhum título em quase 18 meses de Grêmio, com eliminações precoces no Gauchão e também na Libertadores de 2016.. Roger era o treinador que mais tempo ficara comandando um time da Serie A do Brasileirão. Foram 93 jogos, com 48 vitórias, 21 empates e 24 derrotas. Lembrando: Roger Machado chegou no Grêmio em  2015, no mês de maio e tinha alcançado até agora 59,13% de aproveitamento.

O treinador não resistiu a um novo insucesso, dessa vez perante a Ponte Preta. Uma nova goleada sofrida por 3×0 em Campinas, levou Roger a pedir demissão de forma “irreversível”. O Grêmio caiu para a oitava posição, com 37 pontos. No próximo domingo o desafio será contra o Fluminense, às 16h, na Arena, pela 26ª rodada do Brasileirão. A dúvida latente agora é quem treinará o tricolor? Nomes como os de Alexandre Gallo e Adílson Batista começam a ganhar força pelo Humaitá.

 

 

 

Comentários

Comentários