Carlos Pellegrini sofre forte pressão para deixar o futebol do Inter. Chumbinho pode voltar ao clube

Carlos Pellegrini

Foto: divulgação Inter

O atual departamento de futebol do Inter nunca esteve tão pressionado. E não apenas pelos protestos à beira da Avenida Edvaldo Pereira Paiva, a série de derrotas no Brasileirão, os dois pontos ganhos em 24 disputados e a queda da liderança para a 11ª colocação no campeonato nacional. Internamente, o vice-presidente Carlos Pellegrini encontra-se enfraquecido e seguro no cargo apenas pela relação de amizade com o presidente Vitorio Piffero.

Há semanas que se especula nos corredores do Beira-Rio a contratação de um diretor-executivo. Uma pessoa para tirar Pellegrini do foco dos protestos da torcida e das críticas oriundas da imprensa. O nome de Newton Drummond, o Chumbinho, executivo do clube nas principais conquistas da primeira década de 2000, foi ventilado. Pessoas próximas a Chumbinho dizem que ele aceitaria o retorno ao futebol após cinco anos afastado do vestiário do clube. Pellegrini, contudo, não teria concordado com a contratação, batido pé com Piffero e Pedro Affatato quando o tema veio a pauta e o assunto foi abafado. Aliás, desde o Gre-Nal dos 5 a 0, em que o Inter foi derrotado de forma acachapante, logo após a demissão de Diego Aguirre, o nome de Chumbinho é constantemente trazido à tona para uma mudança de ares no departamento de futebol.

Sem Chumbinho e com o aumento da pressão ao futebol do clube – interna e externamente – Pedro Affatato deixou sua mesa na administração e se fez mais presente no vestiário. Participou da contratação de Paulo Roberto Falcão, alinhavou o aporte financeiro de Delcir Sonda para a contratação de Nico López e surge como nome forte para ser o candidato da situação na eleição para presidente ao final da temporada.

Desde o início da semana, informações de que Carlos Pellegrini deixaria a vice-presidência do futebol chegam a todo o momento. Seria uma espécie de “operação de salvamento” da temporada. O hexa gaúcho, embora inédito após décadas e importante, foi esquecido. O título brasileiro está cada vez mais distante. E a Copa do Brasil surge como o princicpal objetivo da gestão Piffero no segundo semestre. Não será esquecido o Brasileirão. Contudo, os oito jogos em mata-mata da competição que tem o sorteio de chaves na próxima terça se apresenta como “mais fácil” de ser conquistada.

Se Pellegrini deixar o futebol, Pedro Affatato deve ser alçado a vice de futebol. Não está descartado que apareça um novo diretor de futebol no vestiário colorado, uma vez que não há evidências de que Marcos Marino também seria demitido. O nome de Luiz Antônio Lopes, que concorreu à presidência do Inter em 2012, é cotado para assumir a pasta. Com Affatato, Chumbinho teria trânsito livre para retornar ao Inter.

O próximo capítulo da saga passa pelo confronto contra o Corinthians. Ou não.

Comentários

Comentários