Ex-técnico do Grêmio cogita ação judicial a autor de falsos áudios vazados via Whatsapp

FOTO: LUCAS UEBEL / GRÊMIO

FOTO: LUCAS UEBEL / GRÊMIO

Os áudios falsos que vazaram em diversos grupos de whatsapp, em que uma pessoa imita o tom de voz do ex-treinador gremista Roger Machado podem ter o destino final na polícia. Para quem conhece o treinador e está desatento ao ouvir, jura de pé junto que é ele. Mas não é. O primeiro áudio se trata do atacante Luan. O áudio replica que o atacante estaria tendo relações com uma de suas filhas. Detalhe: as filhas de Roger têm 11 a 8 anos de idade. O segundo áudio, se refere aos medalhistas olímpicos Luan e Walace: “Pedi para sair porque não tinha mais ambiente. Não bastava aqueles dois piás de merda que voltaram da seleção com uma medalha e esfregando na cara de todo mundo que eles tinham título, antes do jogo ainda peguei dois fazendo o que não deviam dentro do hotel”, diz o material que rodou por grupos de Whatsapp.

O fato é que Roger Machado não desistiu de ir atrás de uma punição ao autor dos áudios. Informações dão conta que ele e sua esposa tentaram encontrar pistas de quem gravou tais absurdos e esbarraram na falta de provas e na falta da origem dos áudios. Mas, uma investida contando com a ajuda da polícia para tentar punir o responsável não está descartada. A irritação do ex-técnico do Grêmio é enorme, pois o primeiro áudio aborda a imagem das filhas do casal que são duas crianças.

Outro áudio em que uma suposta jornalista fala sobre um suposto relacionamento homossexual entre Luan e Bolaños também foi muito ouvido em grupos de whatsapp. O áudio chegou aos ouvidos de Luan. O atacante está na Bahia com a delegação do Grêmio que enfrenta o Vitória na próxima quarta-feira às 19h30min pelo Brasileirão. O Grêmio tem a volta marcada para a quinta-feira seguinte ao jogo e uma ida a polícia não está descartada por parte de Luan, pois há uma ideia de tomada de providências.

Em todos os casos referidos na matéria, no que tange ao Grêmio, o clube não terá influência sobre e com o caso. Especulava-se que o clube pudesse sofrer alguma sanção jurídica, mas como se tratam de situações de pessoais, o envolvimento jurídico da questão não envolve o clube em qualquer ação que possa ser instaurada por Roger ou Luan.

 

Comentários

Comentários