Em jogo truncado e com confusão, clássico Gre-Nal termina empatado na Arena

FOTO: LUCAS UEBEL / GRÊMIO

FOTO: LUCAS UEBEL / GRÊMIO

O clássico Gre-Nal 411 pela 32ª rodada do Brasileirão na Arena foi um jogo e tanto. O lado azul queria se aproximar mais do G-6 e o lado vermelho queria distância, muita distâncoia do Z-4. A disputa era antagônica e reservava um grande jogo. Foi o reencontro de dois treinadores emblemáticos para ambas as torcidas. O ídolo Portaluppi pelo Grêmio reencontrava o Inter como treinador nesta sua terceira passagem como comandante do tricolor. Já Celso Roth, com passagens festejadas / contestadas pelos dois clubes tinha como missão calar a Arena e colocar o Inter no norte da tranquilidade. Resultado? Um 0x0 muito feio, sem nada de criativo e com direito a “tradicional” confusão que um clássico por vezes nos reserva.

O clássico começou com um tom mais carrancudo, afinal, jogados 5 minutos os times pouco criavam e mais especulavam pelos lados do campo. Ambas as equipes pouco construiam pelo meio. Nos 6 minutos, Ramiro tentou cruzar de carrinho após disputa de bola, mas a bola de ataque gremista saiu pela linha de fundo. Aos 10 minutos, os times começaram a querer jogar mais pelo meio, mas tendo a finalização das jogadas ainda pelos lados. Do lado vermelho, Valdívia era o mais perigoso e pelo Grêmio, Edílson avançava mais no ataque. O primeiro escanteio no jogo foi do Inter aos 13 minutos, mas Grohe afastou. Jogados 18 minutos, o Inter era melhor em campo, marcando pressão na linha do meio campo e o Grêmio tinha dificuldades para sair no ataque. Os atacantes gremistas Luan e Pedro Rocha não tinham aparecido ainda no jogo. Nos 23 minutos, o Grêmio teve uma falta ao seu favor que Edílson bateu, mas passou longe do goleiro Danilo Fernandes.

Aos 32 minutos de jogo, o Gre-Nal ainda estava muito “trancado” e sem nenhuma fluência. A bola parecia fazer um bate-volta em ambas as zagas. O Grêmio tentava lançamentos mais longos e pelos lados com cruzamentos. Já o Inter marcava muito bem, mas pouco investia no ataque também. Pedro Rocha melhorou o desempenho pelo lado do Grêmio e Valdívia pelo Inter eram os melhores em campo. A melhor chance no Gre-Nal apareceu aos 34 minutos com um chute de Luan, levando muito perigo ao gol colorado. A boa desviou e resultou em escanteio que na sequência não teve de eficiência. O Inter revidou aos 37 minutos com um ataque de Valdívia que chutou de fora da área rasteiro e obrigou Grohe a se esticar no chão e fazer a defesa. Jogados até o final dos 46 minutos, o jogo seguia na mesma pegada: Truncado, sem muita criação e feio.

Na volta da etapa complementar, logo aos 3 minutos Sasha recebeu na área e quase abriu o placar, mas Geromel impediu que ele fizesse o chute para o gol de Grohe. Com 5 minutos, uma falta para o Grêmio que Edílson bateu, mas a bola foi direto para as mãos de Danilo. Aos 6 minutos, Vitinho num contra-ataque fulminante, adentrou em velocidade na área gremista, chutou forte, mas a bola subiu muito. O jogo havia esquentado de fato: O tricolor respondeu atacando com Ramiro, mas no comando de ataque ele não conseguira dominar a bola após ser lançado. E o Grêmio queria mais: Escanteio de Bolaños aos 1o minutos na cabeça de Kanneman que também quase abriu o placar.

Aos 16 minutos o tempo fechou: Após uma confusão entre Kanneman e Vitinho, atletas começaram a briga e Edílson no meio do bolo agrediu o volante Dourado com socos. O lateral foi expulso deixando o Grêmio com um a menos, bem como Dourado também foi pra rua sendo expulso. O clássico 411 na Arena ficava com um a menos de cada lado. E o clima tinha esquentado com muita certeza. O jogo ficou parado por alguns minutos, mas seguiu. Aos 30 minutos da etapa complementar, os times tentavam se reorganizar, mas o 0x0 seguia no placar. Com 34 minutos, o jogo mostrava ainda pouca qualidade por ambos os times. A dupla Gre-Nal realmente produzia pouco, salvo alguns lances de exceção como um chute de Ramiro pelo Grêmio aos 38 minutos: Foi de fora da área, mas com pouco perigo ao gol colorado. As mexidas feitas pelos treinadores pouco fizeram a diferença e jogados 40 minutos os times pareciam os do início do clássico. Aos 44 minutos, após um escanteio, Ferrareis chutou, mas Grohe defendeu.

O clássico Gre-Nal 411 foi se encaminhando para o final até os 53 minutos da segunda etapa por causa da pausa da confusão entre Edílson e Dourado, bem como acabou do mesmo jeito que começou: Sem brilho, sem muitas chances e com certa dose de nervosismo e claro, confusão.

Grêmio: Grohe, Edilson, Geromel, Kanneman, M. Oliveira; Walace, Maicon (Guilherme), Ramiro e Miller Bolaños (Jailson); Pedro Rocha (Everton) e Luan. Técnico: Renato Portaluppi

Internacional: Danilo, Ceará, Paulão, Ernando, Geferson; Dourado, Anselmo, William, Valdívia (Eduardo Henrique); Sasha (Ferrareis) e Vitinho (Aylon). Técnico: Celso Roth

Comentários

Comentários