Cebolinha! Ele de novo! Everton! Decidiu para o Grêmio!

FOTO: LUCAS UEBEL / GRÊMIO

FOTO: LUCAS UEBEL / GRÊMIO

Este foi o título da minha última crônica com relação ao melhor em campo pelo Grêmio: “Everton carimba o passaporte para a titularidade no Grêmio”.

Será que agora ele será? A sua titularidade é uma urgência! Para ontem!

Vou me repetir aqui, afinal: A verticalidade de Everton é o que impressiona na sua forma de atuar. Hora centralizado, hora pelos lados e de fato isso não é problema para o jogador. Sabem aquele ditado? “Quem sabe faz ao vivo?” Pois é! Everton joga com naturalidade e não sente o terreno.

Muitos ainda não fizeram essa análise, então aqui eu farei: Seu comportamento é igual ao de Luan: Fleumático! Se não, vejamos: Calmo, paciente e equilibrado. Ambos jogam dessa forma, eles não sentem o jogo. Em qualquer campo, estádio ou com torcida contra, eles atuam da mesma forma, ou seja, jogam com naturalidade e com a habilidade que a vida lhes deu.

Isso conta muito, ao contrário daquilo que muitos pensam que na hora decisiva necessita de algo a mais, a calma e a forma tranquila de encarar as adversidades pode ser um plus na parte comportamental e nos resultados. Claro que cada um tem sua forma de viver e der ser. Everton é assim.

Everton foi seguramente o cara decisivo e melhor em campo no Allianz Arena em mais um empate em 1×1, desta vez com o Palmeiras e que classificou o tricolor para encarar o Cruzeiro nas semifinais da Copa do Brasil.

Comentários

Comentários